O Mundo Atual

por Thafarel Araújo
Juiz de Fora

Acordei, acordei no chão, despido de qualquer emoção e sem saber o que se passava aqui

Era tudo tão escuro, tudo tão cinza, tudo tão preto, tudo tão morto

Eu estava acorrentado, há tempos eu estava acorrentado

Não era uma algema, não era uma corrente

Era uma prisão diferente

Eu podia me soltar, mas não sabia como

Era uma algema na palma das mãos, em formato retangular

Brilhava, tinha som, tinha gente

Gente de todo tipo, de todo jeito, de todo o mundo

Mas nenhuma era de verdade, não ali

Nem eu era mais de verdade

Adormeci nessa prisão, nem lembro como era antes dela

Resolvi me libertar depois de um sono profundo, imerso em uma profundidade com zero de

emoção

Quebrei a corrente, saí

Me assustei, nada era como antes

Eu não reconheci nem minha sombra

Só via escuridão

Do alto de um prédio eu quis ver o todo, tentar achar salvação

Da janela do prédio, o mundo atual não me agradava

O pior é sentir que eu mesmo escolhi mal, eu e todos aqueles encarcerados que estavam ao

meu redor

Esse mundo era sem brilho, sem emoção,

Sem gente de verdade na nossa frente

Mas cheio de gente de mentira na nossa mão

Se chegamos a esse ponto por conta de uma invenção

Só nos resta a reinvenção.

 

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s