PEREGRINA CAMALEOA

Uma leiga nos bastidores de um editorial de moda. Do propósito da marca à comunicação com o consumidor.
Das coisas boas em realizar um trabalho para o público, o reconhecimento das pessoas é algo que realmente ajuda a colocar lenha na fogueirinha do coração! E foi assim com o editorial CAMALEOE-SE, produzido há quase 3 meses para a Peregrina e que até hoje tem rendido comentários (dos melhores) por onde eu vou. Então resolvi falar um pouco a respeito.

Começar um negócio, em qualquer área, não é fácil e vai ter gente assoprando no seu ouvido para você tentar um concurso público. Mas grande parte dos empreendedores tem uma coisa preciosa e disso eu não abro mão: temos um propósito.

Por trás da logo, das fotos bonitas e slogans comerciais, existe um coração que palpita, que se anima e que desanima muitas vezes também, mas que sempre procura dar uma acalmada pra recomeçar do zero com todo o entusiasmo que só um empreendedor tem. Repito: é porque temos um PROPÓSITO.

Há cerca de um ano e meio nascia a Peregrina e como contei aqui, MODA vinha depois do infinito na minha lista de interesses! Até hoje não sei se foi a vida que me surpreendeu ou eu que deixei ela de cara com o surgimento da Perê.

O que antes eu enxergava como pura futilidade abriu caminhos pra eu perceber quanta coisa bacana a gente pode aprender com esse mercado (aliás, com tudo se mantivermos a cabeça aberta). Quando me dei conta do quanto aquelas peças influenciavam na minha autoestima enquanto mulher, tive a certeza que queria fazer com que mais mulheres se sentissem vivas e felizes também.

Entre tantas intenções que tenho com meu trabalho à frente da marca (que conto um dia em outro post), a autoestima – em especial da mulher – se tornou uma luta diária na minha vida. Passei a observar tantas mulheres que me inspiram e como elas se desdobram pra dar conta do recado: filhos, sonhos, marido, empresa, vida social, amigas, academia, fases da lua, projetos paralelos bla bla bla e ainda: a ‘obrigação’ de estar sempre linda (que vamos combinar, como toda obrigação, é um saco!).

Por outro lado, comecei a ver as peças da Peregrina (aquelas coisas lindas vindas de tudo quanto é canto) contemplando apenas um estilo: as meninas com estilo mais despojado, meio hiponga, uma coisa meio paquita gratidão (oi?!) e aquilo não tava certo. A Peregrina não tem um estilo formatado, pelo contrário: é liberdade e autenticidade em se vestir e foi assim que nasceu o CAMALEOE-SE, um editorial especialmente pensado na multiplicidade da mulher contemporânea e em sua capacidade de adaptação.

Lembrem-se! A principal responsável pela execução desse projeto era uma pessoa que não sacava bulhufas sobre o assunto (no caso, euzinha). Eu sabia o que queria, mas não sabia como isso seria feito. Afirmo, sem medo de errar, que o resultado desse trabalho se deveu, sobretudo, ao profissionalismo de cada membro da equipe.

Vi a Jéssica se transformando nas mãos de Pedro Moreira, ganhando aquele ar… RAWR! Mulherão! Certeza que isso influenciou positivamente em sua desenvoltura como modelo, que olha… agradou a gregos e troianos. Fica até difícil falar qualquer coisa sobre o trabalho do Wagner, que já conheço há tanto tempo e no qual confio de olhos de fechados. Além de fotógrafo e diretor, ele foi peça chave na criação do conceito desse editorial.

Agora, o que realmente me surpreendeu (como leiga nesse mundo fashionista) foi o trabalho de styling executado pela Fernanda Mansur. Caraca, mermão! Ela conseguiu traduzir exatamente o conceito do ensaio na elaboração dos looks. Acho que só consegui realmente captar a função desse profissional após ver o resultado de CAMALEOSE-SE. Por conta dessa descoberta/aprendizado novos pra mim, pedi que ela falasse um pouco mais pra vocês também entenderem a função desse profissional.

Qual o trabalho do profissional de styling?

Fernanda Mansur: A função do stylist é transmitir o conceito de uma marca ou editorial de moda através da elaboração de looks, a fim de criar uma comunicação entre a marca e o consumidor. Assim, o stylist combina as peças para que o cliente se identifique com a marca. Além disso, ele contribui para que a marca encontre seu próprio estilo.

Como foi montar as produções com as peças da Peregrina e no que você pensou/se inspirou pra montar os looks?

Fernanda Mansur: Foi delicioso criar para a Peregrina! As peças são de diferentes origens do mundo e, por isso, vêm carregadas de energias inspiradoras, bem como as cores! Sendo peças de caráter étnico, nem todas as mulheres se identificam de imediato, por isso, criamos um editorial ilustrando como é possível combinar as peças em qualquer que seja seu estilo: alternativa, chique, antenada nas tendências, casual e cool.

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s