Peregrina

Vem ver no que deu minha brincadeira de Caminho das Índias

Oi, pessoal! Aproveitando o embalo da mudança de layout, post de hoje é para apresentar minha amada e recém lançada marca Peregrina, apenas uma das respostas que buscava quando resolvi pagar pra ver o que seria de mim brincando de Caminho das Índias.

image (7)

A ironia do destino é que moda nunca figurou no top 10 da minha lista de paixões e posso dizer, com um certo orgulhinho, que sempre fui – e continuo sendo – avessa a consumismo. Por outro lado, ficava maluca quando via uma peça diferenciada, que me fazia arregalar os olhos com um “nossa, minha cara!”.  Melhor ainda se soubesse que não ia dar de cara com alguém usando a mesma coisa em cada esquina (quem se lembra da calça de zebra? Sempre achei linda, mas sair em rebanho, pra mim não rola).

Voltando à Índia, onde me procuro encontro neste momento, foi aqui que rolou o CLICK! O fato de me interessar por muitas coisas diferentes, não facilitava minha escolha por algo que eu me propusesse a fazer “pelo resto da vida”.  E foi exatamente o que rolou quando me deparei com a quantidade de coisa exótica por aqui e me imaginei viajando o mundo em busca de outros achadinhos. “Além de vender tudo isso no Brasil, posso escrever sobre essas viagens – que é o que já faço”, pensei.

Business, ok. Realização pessoal, ok. Faltava o terceiro pilar do que sempre almejei para o meu ideal de carreira: fazer algo maior pelas pessoas e/ou pelo planeta. Então, coloquei também como objetivo da marca encontrar, promover e sustentar o trabalho de artesãos e cooperativas que desempenhem algum papel social, dando suporte a comunidades e pessoas em situação de vulnerabilidade.

triade peregrina

No miolo desse conjunto está a Peregrina, o que eu chamo do “comer, rezar e amar da moda”, já que nossa proposta (atemporal, não efêmera, nem descartável), traz em cada peça, um mundo de sabores, crenças e histórias a ser explorado. Se eu pudesse escolher uma frase de efeito pra fechar esse post, eu diria que as peças Peregrina são o paradoxo da singularidade multifacetada! Hahaha! Não sei da onde tirei isso, mas fez sentido e achei bonito.

Leia também: Moda ao Redor do Mundo por Zine Cultural Leia Também:  Entrevista Maruscka Grassano por F. Works Produtora

Anúncios

6 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s